A tomografia de ultra-alta resolução aumenta a capacidade de imagiologia cardíaca da modalidade

As descobertas podem levar a um uso mais eficaz da modalidade para esta aplicação, escreveu uma equipe liderada pela Dra. Jacqueline Latina, da Universidade Johns Hopkins.

30 Ago, 2021

A TC de ultra-alta resolução (UHR-CT) mostra-se promissora para superar as limitações da TC convencional quando se trata de estenose cardíaca por imagem em pacientes com lesões gravemente calcificadas, de acordo com estudo publicado em agosto na Radiology: Cardiothoracic ImagingAs descobertas podem levar a um uso mais eficaz da modalidade para esta aplicação, escreveu uma equipe liderada pela Dra. Jacqueline Latina, da Universidade Johns Hopkins.

"A experiência inicial deste estudo com angiografia coronária usando TC de ultra-alta resolução em pacientes com suspeita de estenoses coronárias demonstra a promessa de alta precisão diagnóstica, mesmo no cenário de calcificação coronária grave ou implante de stent prévio, representando um avanço potencialmente substancial em comparação com a tecnologia de TC convencional neste desafiadora população de pacientes ", observou o grupo.

A angiografia coronária por TC (CTA) tornou-se a modalidade preferencial para o diagnóstico de pacientes com suspeita de doença coronariana. Mas a TC convencional tende a ter precisão apenas moderada ao avaliar a estenose da artéria coronária em lesões gravemente calcificadas, de acordo com os pesquisadores. O que atenua essa limitação é a resolução espacial mais alta, e o UHR-CT oferece isso, escreveram eles.

A equipe da Latina investigou o desempenho da TC de resolução ultra-alta com um scanner disponível comercialmente (Aquilion Precision, Canon Medical Systems ) em pacientes com calcificação arterial grave. O estudo incluiu 15 pacientes com 45 anos ou mais com história de doença arterial coronariana que foram encaminhados para angiografia coronária.

Cada paciente foi submetido a TC de ultra-alta resolução 30 dias antes do cateterismo cardíaco; os pesquisadores compararam os níveis de ruído da imagem e a confiança do diagnóstico e a qualidade da imagem (as duas últimas medidas classificadas em uma escala de 1 a 5, com 5 indicando a qualidade mais alta) dessas imagens com imagens reconstruídas simulando exames de TC convencionais. Eles também compararam o desempenho da UHR-TC e da angiografia para avaliar a estenose nas principais artérias cardíacas e na artéria principal esquerda.

UHR-CT produziu mais ruído de imagem do que a reconstrução de imagem convencional de TC (50,9 versus 19,5), mas mesmo assim, a confiança no diagnóstico e os escores de qualidade de imagem eram altos (4,3 e 4,1), descobriram os pesquisadores. Quando compararam o desempenho da TC de ultra-alta resolução com o padrão ouro da angiografia invasiva para avaliação de estenose, encontraram sensibilidade de 86% e especificidade de 88%.

O estudo apresenta "evidências preliminares de que as técnicas de resolução ultra-alta podem atender às necessidades atuais não atendidas de precisão diagnóstica frente à tecnologia convencional de TC", de acordo com um editorial que acompanha escrito pelos Drs. Sujata Shanbhag e Marcus Chen, ambos do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos.

"Com futuros refinamentos na tecnologia UHR-CT, há promessa para uma melhor estratificação de risco do paciente, caracterização de placa, avaliação de reserva de fluxo de função e avaliação de doença microvascular", escreveram Shanbhag e Chen. "Os avanços tecnológicos podem não apenas levar a melhorias no uso de CTA coronariana para detecção de doenças, mas também podem desempenhar um papel no rastreamento da progressão ou regressão da doença como um alvo substituto útil para a resposta ao tratamento." 

Imagem: Exemplo de um homem de 61 anos com história de infarto do miocárdio que foi encontrado em UHR-CT com uma estenose grave (≥ 70%) em um grande ramo marginal obtuso da artéria circunflexa esquerda logo distal a (A) a Stent patente, que foi confirmado na angiografia invasiva (B). Além disso, havia doença moderada observada por (C) TC de ultra-alta resolução no tronco da artéria principal esquerda e na artéria descendente anterior média esquerda (50% -70% de estenose), que foi subestimada em comparação com (D) angiografia invasiva (70% estenose). A seta aponta para estenoses correspondentes. Imagens e legenda cortesia da RSNA.

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?sec=sup&sub=cto&pag=dis&ItemID=133344

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS