Câncer de mama não é detectado tanto em pacientes com Esclerose Múltipla

As evidências atuais mostram que as pessoas que vivem com esclerose múltipla, uma doença autoimune debilitante dos nervos, comprometeram o acesso ao rastreamento do câncer.

28 Abr, 2022

Mulheres com esclerose múltipla (EM) são menos propensas a ter câncer de mama detectado por meio de mamografia do que mulheres sem EM, de acordo com pesquisa canadense publicada em 27 de abril na revista Neurology. Uma equipe liderada por Patti Groome, PhD, da Queen's University, em Ontário, descobriu que, após o ajuste para idade, ano de diagnóstico e renda, as chances de câncer de mama ser detectado por meio de mamografia de rastreamento de rotina eram 32% menores em mulheres com esclerose múltipla. O grupo também descobriu que as pessoas com esclerose múltipla são mais propensas a ter câncer colorretal detectado em estágio inicial do que aqueles sem esclerose múltipla.

“Estudos em outras populações sugerem que mulheres com limitações físicas, como dificuldade em ficar de pé sem ajuda, são menos propensas a fazer mamografia”, disse a autora correspondente Ruth Ann Marrie, PhD, ao AuntMinnie.com . “Estratégias específicas para lidar com essas barreiras físicas precisam ser abordadas”. 

As evidências atuais mostram que as pessoas que vivem com esclerose múltipla, uma doença autoimune debilitante dos nervos, comprometeram o acesso ao rastreamento do câncer. Mulheres com esclerose múltipla que têm deficiências de mobilidade são menos propensas a fazer exames preventivos de câncer do que mulheres com esclerose múltipla sem deficiências de mobilidade, segundo a pesquisa. Os autores escreveram que intervalos diagnósticos mais longos podem ocorrer para esses pacientes se os sintomas do câncer forem erroneamente atribuídos à EM ou se os sintomas do câncer forem menos significativos do que outros problemas de saúde concorrentes.

Groome et al queriam avaliar como pacientes com EM e câncer passam pelo processo de diagnóstico documentando três partes interconectadas. Estes incluem triagem versus detecção sintomática, estágio do câncer e tempo para que um diagnóstico seja alcançado. Eles então compararam as experiências de ambas as respectivas populações de pacientes, analisando separadamente o câncer de mama e colorretal para ver se os achados eram consistentes entre os tipos de câncer.

A equipe analisou dados de 351 pacientes com EM e câncer de mama, 1.404 pacientes com câncer de mama sem EM, 54 pacientes com EM e câncer colorretal e 216 pacientes com câncer colorretal sem EM. Os pesquisadores descobriram que a esclerose múltipla estava associada a menos cânceres detectados na tela no câncer de mama, com uma razão de chances de 0,68, e possivelmente câncer colorretal com uma razão de chances de 0,52. Eles também descobriram que a EM não estava ligada a diferenças no estágio do câncer de mama no momento do diagnóstico, com uma razão de chances de 0,81 para o câncer em estágio I. No entanto, eles também descobriram que a EM estava associada a maiores chances de câncer colorretal em estágio I (razão de chances, 2,11).

A mamografia de rastreamento detectou câncer de mama em pacientes com SM em 29,3% das vezes, em comparação com 37,7% das vezes em pacientes sem SM (p = 0,004). A equipe também descobriu que a duração mediana do intervalo diagnóstico não variou entre pessoas com e sem EM em nenhuma das coortes de câncer. O intervalo mediano em pacientes com câncer de mama com EM foi de 35 dias, comparado com o intervalo de 34 dias em pacientes sem EM. 

Os autores do estudo escreveram que, com base nessas descobertas, bem como em outras pesquisas, os processos comprometidos para diagnosticar o câncer se tornam visíveis por meio de menos cânceres detectados na tela. Eles pediram que as disparidades no atendimento aos pacientes com EM sejam abordadas. “A deficiência relacionada à esclerose múltipla pode impedir as pessoas de fazer mamografias e colonoscopias”, escreveram Groome e colegas. “Compreender os caminhos para a detecção precoce em ambos os cânceres é fundamental para desenvolver e planejar intervenções para melhorar os resultados para pessoas com esclerose múltipla e câncer”.

Marrie disse ao AuntMinnie.com que a equipe está interessada em aprender mais sobre o tratamento após o diagnóstico de câncer, bem como as barreiras ao rastreamento do câncer.

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?Sec=sup&Sub=wom&Pag=dis&ItemId=135636

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS