Estudo não encontra evidência de que o gadolínio causa prejuízo neurológico

Um novo estudo apresentado no RSNA2017, em Chicago, mostrou que não há evidências de que o gadolínio retido no cérebro após a ressonância magnética esteja associado a desfechos neurológicos adversos.

05 Dez, 2017

De acordo com um novo estudo apresentado na reunião anual da Sociedade Radiológica da América do Norte (RSNA), não há evidências de que a acumulação no cérebro do elemento gadolínio acelere o declínio cognitivo.

Os meios de contraste baseados em gadolinium foram introduzidos em 1988 como um meio de melhorar as imagens de MRI e são comumente usados hoje. O agente de contraste é injetado na corrente sangüínea do paciente e eliminado do corpo através dos rins.

Segundo o autor principal do estudo (foto), Robert J. McDonald, MD, Ph.D., neuroradiologista na Mayo Clinic em Rochester, Minnesota, "estima-se que cerca de 400 milhões de doses de gadolínio tenham sido administradas desde 1988”, complementando que “hoje o material de contraste de Gadolínio é usado em 40 a 50 por cento das exames de ressonância realizados.”

Os cientistas acreditavam anteriormente que o material de contraste de gadolínio não poderia atravessar a barreira hematoencefálica, a membrana semipermeável que filtra seletivamente os materiais da corrente sanguínea para entrar no fluido extracelular no cérebro e no sistema nervoso central. No entanto, estudos recentes, incluindo um do Dr. McDonald e colegas, descobriram que vestígios de gadolínio poderiam ser mantidos no cérebro por anos após a RM.

Em 08 de setembro de 2017, o FDA recomendou a adição de um aviso aos rótulos sobre retenção de gadolínio em vários órgãos, incluindo o cérebro, para agentes de contraste baseados em gadolínio utilizados durante a RM. A FDA destacou várias populações específicas de pacientes com maior risco, incluindo crianças e mulheres grávidas. Ainda assim, muito pouco se sabe sobre os efeitos da saúde, se houver, do gadolínio que é retido no cérebro.

Os pesquisadores utilizaram o estudo Mayo Clinic Study of Aging (MCSA), a maior coorte prospectiva do mundo sobre envelhecimento, para estudar os efeitos da exposição ao gadolínio na função neurológica e neurocognitiva.

Todos os participantes da MCSA foram submetidos a extensas avaliações neurológicas e testes neuropsicológicos na linha de base e intervalos de seguimento de 15 meses. As pontuações neurológicas e neurocognitivas foram comparadas utilizando métodos padrão entre pacientes MCSA sem histórico de exposição prévia ao gadolínio e aqueles que foram submetidos à RM anterior com agentes de contraste baseados em gadolínio. A progressão do estado cognitivo normal para comprometimento cognitivo leve e demência foi avaliada utilizando análise do modelo Markov multistate.

O estudo incluiu 4.261 homens e mulheres cognitivamente normais, com idades compreendidas entre os 50 e os 90 anos com idade média de 72. A duração média da participação no estudo foi de 3,7 anos. Dos 4,261 participantes, 1.092 (25,6 por cento) receberam uma ou mais doses de agentes de contraste baseados em gadolínio, com pelo menos um participante recebendo até 28 doses anteriores. O tempo médio desde a primeira exposição ao gadolínio foi de 5,6 anos.

Depois de ajustar a idade, o sexo, o nível de escolaridade, o desempenho neurocognitivo de base e outros fatores, a exposição ao gadolínio não foi um preditor significativo de declínio cognitivo, demência, desempenho neuropsicológico diminuído ou desempenho motor diminuído. Não foram observados efeitos relacionados à dose nessas métricas. A exposição ao gadolinio não foi um fator de risco independente na taxa de declínio cognitivo do estado cognitivo normal à demência neste grupo de estudo.

"No momento, há preocupação com a segurança dos agentes de contraste baseados em gadolínio, particularmente em relação à retenção de gadolínio no cérebro e outros tecidos", disse o Dr. McDonald. "Este estudo fornece dados úteis que, nas doses razoáveis, é provável que receba 95% da população na vida, não há evidência neste momento de que a retenção de gadolínio no cérebro esteja associada a resultados clínicos adversos", explica o pesquisador.

Este artigo é o vencedor do Kuo York Chynn Neurorradiology Research Award, e tem como Co-autores: Jennifer S. McDonald, Ph.D., Terry Therneau, Ph.D., Laurence J. Eckel, MD, David F. Kallmes, MD, Rickey Carter, Ph.D., Clifford R. Jack Jr. , MD, e Ronald C. Petersen, MD, Ph.D.

Para informações sobre agentes de contraste, visite RadiologyInfo.org.

 

Fonte: RSNA.org/press17

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS