Faculdade de Medicina de Botucatu comemora seus 50 anos

As comemorações do Jubileu de Ouro da primeira turma de médicos aconteceram nos dias 6 e 7, nas dependências da faculdade, com intensa programação e homenagens.

17 Abr, 2018

As festividades em comemoração ao Jubileu de Ouro de formatura da 1ª turma de médicos da antiga Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu (FCMBB), atual Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), aconteceram nos dias 6 e 7 de abril, com atos marcados por grandes emoções e que vão ser eternizados na linha do tempo da tradicional escola e do seu Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB).
No dia 6, o Salão Nobre foi o palco escolhido para uma exposição denominada “Memórias da 1ª turma” e a Sessão Solene da Congregação com descerramento da placa que simboliza os 50 anos da graduação da turma pioneira. A cerimônia aos pioneiros também teve em sua programação a apresentação de piano do professor da pioneira Francisco Habermann, entrega de certificado e medalha de honra para turma e os pronunciamentos que vieram revestidos de muita emoção.
No dia 7, em frente a Biblioteca do Câmpus, foi realizada a inauguração do monumento em homenagem ao saudoso professor emérito Mário Rubens Guimarães Montenegro, o pioneiro da Faculdade. A construção e instalação do monumento foram custeadas pelos próprios ex-alunos, que contaram com o apoio e auxílio da FMB na organização do evento, e em seguida, fizeram o plantio de uma árvore, um ypê amarelo.
Na ocasião, fizeram discursos o diretor da FMB, professor Pasqual Barretti, o aluno da turma pioneira professor Roberto Sogayar, e a professora Edy de Lello Montenegro. A palavra foi aberta para quem quisesse se manifestar e os pronunciamentos resgataram histórias e passagens vivenciadas pelos pioneiros. Dessa forma, foram encerrados os dois dias de atividades festivas para aqueles que fizeram jus as homenagens recebidas.
O evento contou com discursos da turma pioneira, de autoridades, representantes da instituição e sociedade. “O coração da gente se enche de uma alegria, de uma emoção tão grande que acho que vai ser até difícil de falar”. Estas foram as primeiras palavras proferidas pela aluna da primeira turma Irene Pinto Silva Masci em seu discurso de agradecimento à cidade de Botucatu pela acolhida recebida em 1963 quando os pioneiros chegavam no município dos bons ares. 
O orador da turma pioneira, Antônio Carlos Lima Pompeo, fez um resgate histórico do início da instalação da FCMBB lembrando de autoridades políticas e acadêmicas que contribuíram com a conquista. A dedicação, o otimismo e o desejo de servir foram predicados citados pelo orador ao se referir aqueles que iniciaram a trajetória da antiga FCMBB. “Para a maioria de nós este início ocorreu numa atmosfera muito desconhecida, numa sociedade provinciana (Botucatu), com histórico escolar relevante, porém sem nenhuma tradição universitária”, recordou. Em seu discurso, ele citou o bom relacionamento existente entre a turma pioneira e os mestres da época. “Se o patrimônio material que tínhamos era obsoleto e necessitava de reconstrução, o patrimônio humano, representado por aqueles professores pilares de sustentação desta escola, era extraordinário”, disse.
A professora emérita do Instituto de Biociências de Botucatu (IBB) Edy de Lello Montenegro, viúva do professor Mário Rubens G. Montenegro, iniciou seu discurso agradecendo a turma pioneira e relembrou parte de sua história acadêmica e as dificuldades vivenciadas pela FCMBB no início. “Lembro-me quando morava na Visconde Rio Branco (rua), muitos de vocês e das turmas seguintes apareciam nos domingos à noite para saber se havia saído alguma verba (governamental)”, relembrou. 
Representando a Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar (Famesp), o vice-diretor-presidente, professor Trajano Sardenberg, mencionou que alguns integrantes da turma pioneira foram seus professores e que faltam 13 anos para que ele complete 50 anos de formação médica (graduação), lembrando que dois médicos da primeira turma (Irene P. S. Masci e Roberto Sogayar) participam das discussões que envolvem a Fundação em seu conselho de administração.
O superintendente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), professor André Luis Balbi, disse estar “bastante orgulhoso e muito emocionado” por dirigir o Hospital neste momento. “Conversando e olhando pra vocês a gente imagina que ninguém esqueceu ou esquece o que passou no HCFMB”. O docente trouxe significativos números que mostram o crescimento e importância da unidade, ressaltando que os pioneiros contribuíram no passado para que essa realidade fosse concretizada. “Todos que chegam até aqui (Hospital) são tratados com humanização, com eficiência e com a boa vontade de todos”, afirmou. “A presença de vocês aqui hoje permite que a gente possa manter a construção contínua do HCFMB e da FMB”, finalizou.
André Gasparini Spadaro, secretário municipal de saúde de Botucatu e ex-aluno da FMB, participou da cerimônia representando o prefeito de Botucatu (Mário Pardini) e, do púlpito, realizou seu discurso ante a primeira turma da FCMBB, que possui no quadro de médicos seu pai, o professor Joel Spadaro. Relembrou o período em que se formou como médico e o privilégio de receber o diploma das mãos de seu pai.“Mais do que homenagear a primeira turma eu gostaria de agradecer pela oportunidade que tive hoje de retribuir ao meu pai um dos melhores momentos da minha vida”, finalizou.
A vice-diretora da Faculdade, professora Maria Cristina Pereira Lima (Kika), pontuou que "uma Universidade se constrói com a participação de todos (alunos, servidores técnico-administrativos e servidores docentes). E os senhores, alunos da primeira turma, foram e são parceiros nessa construção, inicialmente na FCMBB e até hoje na FMB”.
O diretor da FMB, professor Pasqual Barretti, classificou o jubileu de ouro da formatura da primeira turma do curso de medicina da FCMBB como um “momento tão especial” e agradeceu a todos que estavam no Salão Nobre pela presença. “Esta turma iniciou o curso em uma escola recém-criada, fruto da luta de toda uma sociedade, de uma região, da luta política e do entusiasmo de universitários que acreditaram na viabilidade de um projeto pouco comum naquele período”, ressaltou. O dirigente lembrou de personagens políticos e acadêmicos fundamentais no processo de consolidação da FCMBB e recordou aspectos históricos desses 50 anos de formação da primeira turma. “A universidade que vocês aqui iniciaram, a Unesp, foi sem dúvida a universidade pública que mais cresceu e se desenvolveu. Ela é mais nova que a FMB. Mais do que a excelência acadêmica da Unesp, nacional e internacionalmente reconhecida, foi a universidade que buscou sua identidade, que ousou expandir criando como nenhuma outra vagas de ensino público gratuito nos mais distantes pontos do Estado de São Paulo”, complementou.
A Pró-Reitora de Graduação da Unesp, professora Gladis Massini-Cagliari, esteve na cerimônia representando o Reitor da Universidade, professor Sandro Roberto Valentini. “Pra mim é uma honra e considero um privilégio muito grande poder estar aqui nesse momento. Esse não é um acontecimento trivial, poder comemorar 50 anos da formatura da primeira turma desta faculdade de medicina, que hoje é uma faculdade reconhecida nacional e internacionalmente”, afirmou. De acordo com a docente, o nível de excelência e qualidade alcançados pela Instituição é fruto do mérito, esforço e dedicação de todos. “Tudo o que foi alcançado hoje teve um início e o início foi com a turma pioneira, com vocês que estão aqui”, complementou.
Depoimento sobre o Cinquentenário da Faculdade de Medicina da Unesp em Botucatu
Francisco Habermann, egresso da primeira turma de Medicina da FCMBB, docente aposentado da atual Faculdade de Medicina da Unesp em Botucatu (FMB) - Unesp.  

Cinco décadas de qualquer evento é comemoração sempre significativa. Mais ainda se for marca de um acontecimento histórico, coletivo. Muito mais expressiva se traduzir um reconhecimento público à acolhida carinhosa feita por uma comunidade. Foi o que aconteceu aqui em Botucatu em 1968.Já em 1963, na chegada das primeiras turmas de alunos dos três cursos da FCMBB ( Medicina Humana, Medicina Veterinária e Biologia ),  estes sentiram  o carinho botucatuense na acolhida ímpar àqueles jovens aprovados nos concorridos exames de admissão. 

 

A recepção dos calouros coordenada pelo nosso querido pioneiro fundador, Professor Emérito Mário Rubens Guimarães Montenegro, a cerimônia inaugural com o Professor João Alves Meira e a magistral aula inaugural proferida pelo inesquecível Professor de Anatomia Humana, o gaúcho Dr. Nicanor Letti, constituem lembrança inesquecível a todos os alunos pioneiros que se formaram seis anos após, em 1968, e hoje comemoram o cinquentenário deste evento. 

 

A cerimônia de formatura da turma pioneira do Curso de Medicina foi ímpar em Botucatu-SP e constituiu evento que envolveu toda a comunidade local e universitária, num júbilo inigualável, sentido por todos. A presença de autoridades estaduais, municipais e universitárias, professores e funcionários permitiu aos formandos e seus familiares ( dentre eles ilustres colegas botucatuenses ) sensação de vitória conjunta. Honrando o nome da instituição estavam juntos, ali no Botucatu Tênis Club, os formandos dos cursos de Medicina Humana, Medicina Veterinária, Biologia e Agronomia numa harmonia inigualável, eterna. 

 

Agora, em 2018, a Faculdade de Medicina de Botucatu – Unesp realiza brilhante sessão comemorativa do cinquentenário de formatura da turma pioneira em seis de abril e inaugura no dia sete de abril a estatua do Professor Montenegro, doada pelos alunos da primeira turma de médicos da instituição, num ato de alto significado histórico para todos os que viveram as epopeias e lutas dos primórdios da instituição universitária que hoje figura entre as mais concorridas do Brasil. O sonho do Professor Montenegro se realizou e todos nós comemoramos este cinquentenário de júbilo universitário e comunitário botucatuense.Parabéns a todos os valorosos pioneiros!

 

Fonte: AI/FMB

 

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS