Imagens de ressonância magnética mostram como o autismo afeta cérebros jovens ao longo do tempo

Resultados do estudo da Universidade de Yale podem se traduzir em um diagnóstico precoce do transtorno do espectro do autismo e podem ajudar a definir biomarcadores que podem ajudar a monitorar a resposta ao tratamento.

24 Nov, 2021

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Yale descobriu que o autismo afeta a microestrutura da substância branca no cérebro de adolescentes e adultos jovens ao longo do tempo, conforme indicado em exames de ressonância magnética, de acordo com pesquisa a ser apresentada no RSNA 2021.

Usando a ressonância magnética, a autora principal do estudo e candidata ao doutorado Clara Weber e colegas descobriram que essas mudanças foram mais dramáticas em áreas que ajudam os dois hemisférios do cérebro a se comunicarem. Rastreá-los pode ajudar os médicos a reconhecer melhor o autismo e monitorar a resposta ao tratamento em crianças com autismo, disse Weber em um comunicado divulgado pela RSNA.

"Uma em cada 68 crianças nos Estados Unidos é afetada pelo transtorno do espectro do autismo, mas a grande variedade na manifestação e severidade dos sintomas torna difícil reconhecer a condição precocemente e monitorar a resposta ao tratamento", disse ela. "Nosso objetivo é encontrar biomarcadores de neuroimagem que podem potencialmente facilitar o diagnóstico e o planejamento da terapia."

Weber e colegas avaliaram imagens de tensor de difusão (DTI) por ressonância magnética do cérebro de 583 pacientes. O DTI mede a conectividade do cérebro rastreando como a água se move ao longo dos caminhos da substância branca; os pesquisadores criaram mapas de anisotropia fracionada, difusividade média e difusividade radial para cada grupo de idade, todos modos de rastrear o movimento da água no cérebro.

A coorte de pacientes foi dividida nas seguintes categorias:

  • Bebês: 34 com autismo e 121 controles (idade mediana, 7 meses)
  • Crianças: 57 com autismo e 45 controles (idade média, 32 meses)
  • Adolescentes: 106 com autismo e 124 controles (idade mediana, 13 anos)
  • Adultos jovens: 67 com autismo e 29 controles (idade média, 19 anos)

 

O estudo encontrou anisotropia fracionada reduzida nos tratos anterior e médio do corpo caloso em pacientes adolescentes e adultos jovens com autismo em comparação com os do grupo de controle. A anisotropia fracionada reflete o quanto a difusão de água no cérebro é limitada a uma direção, explicou a equipe, enquanto o corpo caloso facilita a comunicação entre os dois lados do cérebro. Essa mesma anisotropia fracionada reduzida não apareceu em bebês ou crianças pequenas. 

“Em adolescentes, vimos uma influência significativa do autismo”, disse Weber. "Em adultos, o efeito foi ainda mais pronunciado. Nossos resultados apoiam a ideia de conectividade cerebral prejudicada no autismo, especialmente em tratos que conectam os dois hemisférios."

Os resultados do estudo podem se traduzir em um diagnóstico precoce do transtorno do espectro do autismo e podem ajudar a definir biomarcadores que podem ajudar a monitorar a resposta ao tratamento, observaram os pesquisadores. "Precisamos encontrar biomarcadores mais objetivos para o distúrbio que possam ser aplicados na prática clínica", concluiu Weber.

Imagem: Alterações significativas na substância branca do cérebro em adolescentes com transtorno do espectro do autismo. Imagem e legenda cortesia da RSNA.

Fonte: https://www.auntminnie.com/index.aspx?sec=nws&sub=rad&pag=dis&ItemID=134208

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS