Monumentos de São Paulo são iluminados para o Outubro Rosa

A iniciativa tem o objetivo de chamar a atenção das mulheres para a importância do diagnóstico precoce do câncer de mama

02 Out, 2017

O câncer de mama é o tipo mais comum em mulheres de todo o mundo. Se identificado e tratado oportunamente, o prognóstico é positivo. Visando chamar a atenção das mulheres para o diagnóstico precoce, a cidade de São Paulo aderiu ao movimento 'Outubro Rosa'. Ao longo de todo o mês, o Ilume (Departamento de Iluminação Pública) está iluminando diversos monumentos da capital na cor rosa. Os marcos escolhidos são Viaduto do Chá, Monumento às Bandeiras, Biblioteca Mário de Andrade, Ponte das Bandeiras, Ponte Octávio Frias de Oliveira (Ponte Estaiada) e Ponte Padre Adelino (Estaiada do Tatuapé).

A história do “Outubro Rosa” iniciou quando a Fundação Susan G. Komen for the Cure, no ano de 1990, distribuiu laços cor de rosa aos participantes da 1ª Corrida pela Cura, em Nova York, com a finalidade de chamar a atenção para a existência do câncer de mama. Logo após, despontaram ações isoladas em vários estados norte-americanos referentes ao câncer de mama e o acesso à mamografia no mês de outubro; e com a aprovação do Congresso Americano, ainda na década de 1990, passou a ser considerado anualmente o mês nacional de prevenção do câncer de mama naquele país.

A partir dai, transformou-se em um movimento mundial com o principal objetivo de promover a conscientização de mulheres, profissionais de saúde, instituições públicas e privadas e terceiro setor sobre a importância da prevenção, detecção precoce e tratamento do câncer de mama, através da realização periódica da mamografia por mulheres com idade acima dos 50 anos.
Comemorado de diferentes formas ao redor do mundo, no Brasil a primeira ação pública ocorreu em outubro 2002, quando o Mausoléu do Soldado Constitucionalista, mais conhecido como o Obelisco do Ibirapuera, foi iluminado de rosa. A iluminação de monumentos e prédios públicos na cor rosa visa a expansão do movimento, e além de enaltecer a beleza e a elegância feminina, proporciona uma agradável leitura visual, compreendida como um fortalecimento da causa.

Câncer de Mama

Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta faixa etária sua incidência cresce rápida e progressivamente. Estatísticas indicam aumento de sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento. Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos é de 61%. No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estádios avançados. Segundo o Inca, as formas mais eficazes para detecção precoce do câncer de mama são o exame clínico da mama e a mamografia. Para o controle da doença, é recomendado que as mulheres realizem exames periodicamente.

O exame clínico das mamas é o procedimento onde o médico ou enfermeiro observa e apalpa as mamas da paciente na busca de nódulos ou outras alterações e deve ser realizado conforme as recomendações técnicas do Consenso para o Controle do Câncer de Mama. Já a mamografia é a radiografia da mama, capaz de mostrar lesões em fase inicial e até muito pequenas (milímetros), permitindo assim, a detecção precoce do câncer de mama. Outro exame auxiliar no diagnóstico é a ultrossonagrafia das mamas, que tem por finalidade analisar o tecido mamário e colher informações sobre lesões e nódulos de maneira mais precisa.

Fonte: Secretaria Executiva de Comunicação/Foto: Fernando Pereira 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS