Quais imagens ortopédicas são as mais seguras para os pacientes?

Pesquisadores divulgam melhores práticas para radiologistas e cirurgiões ortopédicos

15 Mar, 2017

Os pacientes ortopédicos pediátricos que necessitam de cirurgia geralmente são submetidos a mais radiografias e tomografias do que os pacientes não-cirúrgicos, e os cirurgiões ortopédicos devem buscar opções para reduzir a exposição à radiação, de acordo com a pesquisa apresentada esta semana na Academia Americana de Cirurgiões Ortopédicos (AAOS).

Pesquisadores do Hospital NYU Langone para Doenças Articulares realizaram uma revisão da literatura sobre as diferentes opções em tecnologias de imagem para lesões ortopédicas pediátricas e, em seguida, quantificaram a radiação nestes scans. Eles descobriram que os pacientes que necessitam de cirurgia para displasia de quadril, escoliose e discrepância da perna-comprimento são mais propensos a passar por exames de imagem como raios-x ou tomografia computadorizada.

Como resultado, esses pacientes enfrentam um risco de morte ligeiramente maior para câncer e defeitos genéticos, de acordo com um dos autores do estudo, dr. David Godfried.

Por exemplo, pacientes pediátricos com displasia de quadril que necessitaram de cirurgia receberam duas vezes mais radiografias e foram submetidos a múltiplos exames de tomografia computadorizada, em comparação com pacientes pediátricos que não realizaram cirurgia. Esta exposição à radiação aumentou cumulativamente seu risco global de câncer fatal ou defeitos genéticos em menos de 1% - um risco pequeno, mas significativo, de acordo com os pesquisadores.

Além do mais, pacientes com escoliose feminina receberam duas vezes mais raios x do que pacientes não-cirúrgicos, totalizando o dobro da exposição à radiação nos seios, ovários e medula óssea. Este nível de exposição à radiação correlacionou-se a um risco aumentado de mais de 2% de morte por de câncer da mama, bem como um risco quase 1% maior de leucemia fatal e 3% maior risco de defeitos genéticos. Em comparação, pacientes não-cirúrgicos tinham aproximadamente metade desse risco, de acordo com a equipe.

 

Depois de revisar as evidências, os pesquisadores desenvolveram uma lista de melhores práticas para cirurgiões ortopédicos:

 

Siga o princípio de limitar a exposição à radiação a partes do corpo que são absolutamente essenciais para o diagnóstico.

-Elimine exposições repetidas resultantes de erros técnicos.

-Limite a colimação à região de interesse.

-Limite a fluoroscopia a estouros curtos conforme necessário.

-Utilize protocolos de TC de baixa dose que são ajustados para o tamanho do paciente.

-Limite a tomografia computadorizada da coluna vertebral e da pelve em pacientes pediátricos.

-Pacientes do sexo feminino são mais suscetíveis aos efeitos adversos da radiação do que os pacientes do sexo masculino.

-Os pacientes com escoliose devem ter exames de raios x de segmento limitados.

-Os estudos de comprimento de perna, escoliose e displasia de quadril devem utilizar os sistemas de radiografia digital ortopédica em vez dos tradicionais raios X.

-Os raios X são uma ferramenta diagnóstica indicada para extremidades, tais como o pulso, tornozelo etc.

-A tomografia computadorizada é uma ferramenta diagnóstica indicada para fraturas triplanares.

 

 

Os pesquisadores disseram que sua instituição implementou várias dessas práticas para reduzir a exposição à radiação.

"Examinamos nosso uso de raios X em diferentes situações clínicas e o efeito sobre os resultados dos pacientes e conseguimos reduzir ou eliminar a necessidade de raios X em muitos casos, incluindo certas visitas pós-operatórias e rotineiras de acompanhamento", disseram os pesquisadores. "Embora os raios X ainda sejam uma ferramenta diagnóstica necessária e importante na população pediátrica, nosso objetivo é reduzir a exposição à radiação desses pacientes sempre que possível, sem comprometer o atendimento ao paciente".

Nos casos de displasia de quadril, por exemplo, cirurgiões ortopédicos trabalham com radiologistas musculoesqueléticos para reduzir uma tomografia computadorizada de uma média de cinco a 10 fatias para apenas uma ou duas, de acordo com os pesquisadores. Além disso, colaboradores de cirurgia ortopédica e radiologia têm implementado o uso intraoperatório de protocolos de baixa dose em sistemas de fluoroscopia, o que reduz a exposição à radiação tanto para pacientes quanto para médicos e funcionários na sala de cirurgia. Com informações de Erik L. Ridley, de AuntMinnie.com.

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS