SOBRICE elege sua nova diretoria

A nova diretoria, para o biênio 2019-2020, foi eleita durante o congresso realizado em São Paulo.

16 Ago, 2018

A nova diretoria, para o biênio 2019-2020, foi eleita durante o 21º congresso da Sociedade Brasileira de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular - Sobrice, que aconteceu nos dias 9, 10 e 11 de agosto, no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo. 

Durante o evento foi eleita à diretoria que vai comandar a instituição nos próximos dois anos, com Marcos Roberto de Menezes, na presidência; Joaquim Maurício da Motta Leal Filho, como vice; Rafael Noronha Cavalcante, secretário; Gustavo Henrique Vieira de Andrade, tesoureiro; Eduardo Ferreira Medronha, diretor científico; Charles Edouard Zurstrassen, diretor de eventos; Luiz Sérgio Pereira Grillo Jr.; diretor de defesa profissional; Lucas Moretti Monsignore, diretor de TI e Denis Szejnfeld, diretor de certificação/educação.

Segundo Marcos Menezes, a SOBRICE, cada vez mais está se fortalecendo e se estruturando como uma entidade bem representativa, e já vem trilhando um caminho de melhor estruturação, devido ao trabalho de todas as pessoas envolvidas e das diretorias anteriores. “Desde a última gestão, esse grupo tem procurado cada vez mais, não se focar somente no evento, mas em tudo que representa a sociedade, como uma melhor estruturação, tanto do ponto de vista de atualização de valores de procedimentos, como na cobertura de novos procedimentos, seja pelas seguradoras ou pelo SUS”, explica o presidente eleito.

Outro foco destacado se refere à questão da educação, onde já se conseguiu que o MEC reconhecesse dois anos de treinamento, antes era apenas um. Hoje, a entidade tem 21 centros formadores aprovados e, num futuro próximo, somente os profissionais oriundos desses centros, é que vão poder fazer a prova de título de especialista da SOBRICE.

De acordo com Menezes, a especialidade tem tido um forte crescimento como um todo, e mais que uma percepção, existe uma maturação de várias coisas que tem se estabelecido com benefício clínico, pois cada vez mais, a medicina vai se movimentando no sentido de menos invasividade, com menor risco ao paciente. “Acho que é isso que a radiologia intervencionista oferece em várias áreas. As tecnologias têm avançado muito e o próprio reconhecimento clínico desses procedimentos tem se estruturado” enfatiza, complementando que no evento deste ano a SOBRICE consolidou essa nova realidade trazendo mais grupos multidisciplinares para participação e discussão das novas técnicas. 

“A mesas sempre estão compostas de oncologistas, cirurgiões, clínicos, não só mais de radiologistas. As discussões também não são somente técnicas, e sim, de como, ou quais são os benefícios reais desses procedimentos para os pacientes. Cada vez mais o foco é no paciente, e isso é fundamental. Ao olharmos para frente sabemos que devemos dar continuidade a esse crescimento, que é constante nos últimos anos, e dar seguimento a estruturação de procedimentos e de tabelas, que é importante para dar sustentabilidade à prática diária de todos os cooperados”, exemplifica o presidente.

A nova diretoria também tem a expectativa de ampliar o número de membros da SOBRICE, e concentrar o foco no jovem radiologista, com o objetivo de treiná-lo melhor, e garantir acesso a esse treinamento de qualidade. “Nesse sentido, um caminho que a gente tem trilhado é o de internacionalizar cada vez mais a SOBRICE, criando parcerias com as sociedades americana e europeia, que envolvam a educação e realização de estágios, principalmente, para os jovens radiologistas intervencionistas, que são o futuro e a renovação da própria especialidade”, comenta Marcos Menezes.

Outro destaque é a tecnologia e segundo Menezes, o Brasil tem todas as restrições do ponto de vista de ANVISA, mas mesmo assim, várias empresas que não atuavam no mercado, hoje já estão com novas agulhas e tecnologias, o que é muito interessante para o aumento da competitividade desse mercado, ainda muito restrito, para a queda dos preços e dos custos desses materiais, criando mais viabilidade financeira para os serviços.

Ainda, do ponto de vista tecnológico sempre tem algo novo surgindo, da mesma maneira que as tecnologias de imagem que envolve essa área. A evolução do segmento tem se concentrado tanto no diagnóstico, como na intervenção, onde se vê um uso mais intenso do ultrassom e da tomografia guiando esses procedimentos, em associação de métodos como, por exemplo, o angiógrafo com tomógrafo no mesmo equipamento, que nos grandes centros já é uma realidade. 

A radiologia intervencionista vive de materiais diferentes. Ela necessita de cateteres, de materiais embólicos, de agulhas, o que sempre tem novidades. É um ambiente que está em constante evolução e de novas técnicas, como as apresentadas no evento da SOBRICE, que trouxe uma mostra do está acontecendo em várias partes do mundo. 

“A ideia é sempre de trazer pessoas para compartilhar esse conhecimento, por isso há uma forte presença internacional no congresso, que sempre vamos manter para justamente trazer quem está na ponta desses procedimentos, e mostrar esses resultados aqui no encontro anual da SOBRICE”, justifica Menezes.

Segundo o presidente, no Brasil existem especialistas que desenvolvem trabalhos originais e de alta qualidade, enfatizando que o nível dos nossos radiologistas intervencionistas é similar ao dos profissionais dos grandes centros mundiais de referência nessa área. “Nós temos aqui profissionais extremamente capacitados que não deixam em absoluto, nada a desejar dos melhores centros, nas diferentes especialidades e diferentes técnicas. Nós temos pessoas com extrema habilidade e muito capacitadas na área de intervenção”, finaliza. 

 

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS