Tecnologia 3 D na simulação anatômica

19 Fev, 2018

O uso de cadáveres começa a ser substituído por  plataformas digitais de dissecação virtual, nas salas de aulas de diversas escolas médicas no Interior de São Paulo. O objetivo é eliminar de vez o uso de cadáveres nas aulas, seguindo uma tendência mundial de usar corpos humanos, bem como eliminar o sacrifício animal em cursos de formação médica.

 

Grandes centros de formação médica, em Campinas, São José do Rio Preto, Ribeirão Preto, entre outras escolas, adquiriram uma   plataforma multidisciplinar 3D desenvolvida pela Csanmek, startup brasileira especializada em sistemas e soluções para o mercado educacional.

 

Com avançada tecnologia essa plataforma permite o estudos de casos clínicos e exames reais de pacientes, e possibilita  que tomografias e ressonâncias magnéticas sejam convertidas em clones virtuais 3D.

 

"Apesar de ser um equipamento para educação, a plataforma 3D também é utilizada por médicos e profissionais da saúde no dia a dia, para melhorar o aprendizado e compreensão das estruturas anatômicas reais e modeladas", afirma o fundador da Csanmek, Claudio Santana.

Algumas linhas de atlas anatômicos e fisiológicos são utilizadas, com mais de 5 mil estruturas anatômicas identificadas, incluindo todos os órgãos e sistemas do corpo masculino e feminino. Os  modelos são tridimensionais,  detalhados e anatomicamente precisos, mostrando todos os  sistemas do corpo humano. O novo aplicativo é indicado para cursos de medicina, de  veterinária e demais áreas da saúde.

Compartilhe


NOTÍCIAS RELACIONADAS